Fortaleça os músculos dos pés para melhorar o desempenho esportivo

Fortaleça os músculos dos pés para melhorar o desempenho esportivo

Fortalecer os músculos dos pés é importante? O pé é uma estrutura complexa, que nos sustenta no esporte e que possui muitas articulações e vários graus de mobilidade que desempenham um papel importante na postura estática e atividades dinâmicas como a corrida.

O desenvolvimento evolutivo do arco do pé coincidiu com as maiores exigências feitas ao pé quando os humanos começaram a correr. O movimento e a estabilidade do arco são controlados por músculos intrínsecos e extrínsecos. No entanto, os músculos intrínsecos são amplamente ignorados pelos atletas.

Fortalecer os músculos dos pés é importante

Esses músculos raramente são tratados em programas de reabilitação e na base das assessorias, e só são lembrados por nós, médicos, quando chegam lesionados na consulta. As intervenções para problemas relacionados aos pés são mais frequentemente direcionadas para apoiar externamente o pé, em vez de treinar esses músculos para funcionarem conforme foram projetados. Por isso, é muito importante fortalecer os músculos dos pés.

Portanto, vou dar algumas dicas para a compreensão da função do pé. Começamos com uma visão geral da evolução do pé humano com foco no desenvolvimento do arco. Isso é seguido por uma descrição dos músculos intrínsecos do pé e sua relação com os músculos extrínsecos. Traçamos os paralelos entre os pequenos músculos da região do tronco que constituem o núcleo lombopélvico e os músculos intrínsecos do pé, apresentando o conceito de núcleo do pé.

  1. A primeira atenção é para a sua existência!
    Comece a pensar nos seus músculos dos pés e ativá-los quando estiver descalço. Ao integrarmos o conceito de núcleo do pé na avaliação e no treinamento, tudo se conecta. Tendo uma maior consciência da importância da estabilidade do centro do pé para o funcionamento normal do pé e dos membros inferiores, você vai ganhar estabilidade.
  2. A relevância da estabilidade do núcleo para o pé
    A estabilidade do core da coluna tem recebido muita atenção no mundo esportivo. O interesse tem se concentrado principalmente no papel da estabilidade lombo-pélvica do quadril em padrões normais de movimento dos membros inferiores, o que deve ser incluído nos exercícios. Esses estabilizadores locais têm pequenas áreas de seção transversal e pequenos arcos de momento. No entanto, eles agem para aumentar a estabilidade intersegmental. O funcionamento adequado dos estabilizadores locais fornece uma base estável para os motores primários do tronco, aqueles com áreas de seção transversal e maiores arcos de momento. Quando os músculos centrais estão fracos ou não são recrutados de forma adequada, a base proximal torna-se instável e desalinhada, resultando em padrões de movimento anormais do tronco e das extremidades inferiores. Isso pode levar a uma variedade de lesões nas extremidades inferiores por uso excessivo.
  3. Comece a ativar!
    Propomos que o conceito de estabilidade central (core da coluna) também pode ser estendido ao arco do pé (core do pé) . O arco é controlado com estabilizadores locais e motores globais do pé, semelhantes ao núcleo lombopélvico. Os estabilizadores locais são as quatro camadas dos músculos intrínsecos plantares que se originam e se inserem no pé. Os motores globais são os músculos que se originam na parte inferior da perna, cruzam o tornozelo e se inserem no pé. A cada passo, as quatro camadas de músculos intrínsecos agem para controlar o grau e a velocidade da deformação do arco. Dica: ande descalço e ative-os! Quando eles não estão funcionando corretamente, a fundação torna-se instável e desalinhada; e segue-se um movimento anormal do pé. Isso pode se manifestar em problemas relacionados aos pés.
  4. Importância na prevenção de lesões
    A fascite plantar é uma das lesões por excesso de uso mais comuns do pé. É reconhecida como uma lesão por esforço repetitivo devido à deformação excessiva do arco. A importância da musculatura do arco nesta lesão prevalente no pé é atualmente subestimada. Isso é ressaltado por artigos recentes que descrevem evidências clínicas e diretrizes para fascite plantar, assim como a disfunção do tendão tibial posterior, síndrome de estresse tibial medial e dor crônica na perna, que não mencionam o fortalecimento do pé como um componente das intervenções. Por isso é importante fortalecer os músculos dos pés e prevenir lesões.
  5. Como ativar?
    O exercício terapêutico dos músculos plantares intrínsecos do pé tem sido tradicionalmente descrito como ocorrendo durante os exercícios de flexão dos dedos dos pés, como enrolar com toalha e pegar bolinha de gude. Embora esses exercícios certamente ativem alguns dos músculos intrínsecos plantares, eles também envolvem uma ativação substancial dos músculos flexor longo do hálux e flexor longo dos dedos. Recentemente, o “exercício de pé curto” foi descrito como um meio de isolar a contração dos músculos intrínsecos plantares. O pé é “encurtado” usando os músculos intrínsecos para puxar a primeira articulação metatarsofalangiana em direção ao calcâneo conforme o arco longitudinal medial é elevado.

+ Tratamento Fascite Plantar

Publicado também em: Eu atleta

Gostaram das dicas, valentes?

Mandem seus comentários e dúvidas!

Tags:
Não há comentários

Poste um Comentário