Pé plano adquirido: Saiba verificar se tendão tibial está perdendo curvatura

Pé plano adquirido: Saiba verificar se tendão tibial está perdendo curvatura

Tendões conectam os músculos aos ossos em toda sua extensão, o que permite dobrar as articulações. Um dos mais importantes tendões da perna é o tendão tibial posterior (TTP). Este tendão começa na barriga da perna, estende-se para baixo por trás do interior do tornozelo e se insere aos ossos no meio do pé. O tendão tibial posterior ajuda a manter o seu arco (curva plantar) e fornece suporte do pé ao caminhar. Se este tendão tornar-se inflamado, sobrecarregado ou com microfissuras, você pode sentir dor no tornozelo, região interna e gradualmente perder o arco interno na parte inferior do pé, levando ao pé plano adquirido.

Quais são os sinais de pé chato progressivo?
– A dor e inchaço no interior do tornozelo
– Perda do arco e o desenvolvimento de um pé plano
– Desenvolvimento gradual de dor no lado externo do tornozelo ou do pé
– Fraqueza e incapacidade de ficar sobre os dedos dos pés
– Dor no meio do pé, especialmente quando está sob estresse durante a atividade esportiva (sobrecarga)

O que causa o pé plano adquirido por insuficiência do TTP?
O pé plano progressivo muitas vezes ocorre em mulheres com mais de 50 anos de idade e pode ser devido a uma anormalidade inerente ao tendão. Mas há vários outros fatores de risco, incluindo:

– Obesidade
– Diabetes
– Hipertensão
– Cirurgia ou trauma anterior, tal como uma fratura do tornozelo na parte interior do pé
– Injeções de esteroides locais
– Doenças inflamatórias, tais como a síndrome de Reiter, artrite reumatoide, psoríase e artropatia spondylosing.

Os atletas que estão envolvidos em esportes como basquete, tênis, futebol, ou seja, esportes de impacto, podem estirar o tendão tibial posterior. O tendão também pode inflamar se forçado excessivamente, como ocorre em provas longas de corrida.

Como é pé plano progressivo é diagnosticado?
O diagnóstico baseia-se tanto na história como no exame físico. O médico pode pedir-lhe para ficar em seus pés descalços de costas para ele para ver como funciona seu pé. À medida que a doença progride, a parte dianteira do pé afetado começará a deslizar para o lado de fora. De trás, ele vai olhar como se você tivesse “muitos dedos a mostra” (sinal do Too many toes).

Você também pode ser convidado a ficar no seu pé ou fazer uma única elevação do calcanhar. Você vai ficar com as mãos na parede, levantar o pé afetado do chã, e levantar-se sobre os dedos do outro pé. Normalmente, o calcanhar irá girar para dentro; a ausência deste sinal indica disfunção tendão tibial posterior. O médico pode solicitar raios-X, um ultrassom ou uma ressonância magnética do pé.

Quais são as opções de tratamento?

Sem tratamento, o pé plano adquirido  se desenvolve a partir da  disfunção do tendão tibial posterior, podendo tornar-se  eventualmente rígido e com artrite no tornozelo. A dor aumenta e se espalha para o lado externo do tornozelo. O jeito que você anda pode ser afetado e uso de sapatos pode ser difícil.

O tratamento recomendado pelo médico dependerá de quão longe a condição progrediu. Nos estágios iniciais, a disfunção do tendão tibial posterior pode ser tratada com repouso, medicamentos anti-inflamatórios não-esteroides e imobilização do pé de seis a oito semanas com um arco/palmilha rígida para dar suporte. Pode ser necessária a colocação de cunha no calcanhar. Se a condição for avançada, o médico pode recomendar que você use uma órtese tornozelo-pé feito por encomenda para apoio.

Se os tratamentos conservadores não funcionam, o médico pode recomendar a cirurgia. Vários processos podem ser utilizados para tratar pé chato progressivo, muitas vezes mais do que um procedimento é realizado ao mesmo tempo. O médico irá recomendar um tratamento específico com base no seu caso individual.

As opções cirúrgicas incluem:
– Tenosinovectomia: Neste procedimento, o cirurgião irá limpar (debridar) e remover (retirar)  qualquer tecido inflamado em torno do tendão.
– Osteotomia: Este procedimento altera o alinhamento do osso do calcanhar (calcâneo). O cirurgião pode por vezes achar necessário remover uma parte do osso.
– Transferência do tendão: Este procedimento utiliza algumas fibras de outro tendão (por exemplo: o flexor longo dos dedos, o que ajuda a curvar os dedos dos pés) para reparar/ substituir o tendão tibial posterior danificado.
– Alongamento da coluna lateral: Neste procedimento, o cirurgião remove uma pequena peça em forma de cunha de osso a partir do seu quadril ou de um cadáver e coloca-o na parte externa do calcâneo. Isso ajuda a realinhar os ossos e recriar o arco.
– Artrodese: Este procedimento funde um ou mais ossos, eliminando o movimento na articulação. Isto estabiliza a parte posterior e impede a condição de evoluir.

Dra. Ana Paula Simões
Médica do esporte, ortopedista e traumatologista, professora instrutora e mestre pela Santa Casa de São Paulo, especialista em medicina esportiva e cirurgiã do tornozelo e pé.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

× Entre em contato!