Osteocondrose em crianças: O que é?

Osteocondrose em crianças: O que é?

Osteocondrose em crianças: Sobrecarga de treinos pode atrapalhar o rendimento das crianças e causar lesões. Entenda o que é.

O aumento da intensidade das atividades esportivas, combinado com a cobrança por performance diária, está tornando as lesões por uso excessivo em crianças mais comuns.

O que é osteocondrose?

Essas lesões localizam-se principalmente na cartilagem epifisária. O termo amplo para essas lesões é a osteocondrose, também conhecida por osteocondrite, que se refere mais especificamente às condições inflamatórias do osso e da cartilagem.

Nos adultos conversamos na matéria sobre como essa dor acontece nas articulações.

A osteocondrose pode ser epifisária, fisária ou apofisária, dependendo do local afetado. A condição pode estar na forma primária deformante ou na forma dissecante.

Embora não haja consenso sobre a etiologia da osteocondrose, múltiplos fatores parecem estar envolvidos: fatores vasculares, traumáticos ou mesmo microtraumáticos.

A maioria das lesões por excesso de uso envolve os membros inferiores, especialmente os joelhos, tornozelos e pés.

Os mais típicos são a doença de Osgood-Schlatter ( joelho) e a doença de Sever (calcâneo); em ambas as condições, os tendões permanecem relativamente encurtados durante os picos de crescimento mas todas tem em comum: a sobrecarga.

Osteocondrose em crianças

Analisar a atividade esportiva de uma criança não é simplesmente uma questão de somar o número de horas gastas semanalmente em esportes organizados, mas também o número de atividades físicas recreativas dentro e fora da escola.

Isso nos mostra que um certo número de crianças e adolescentes pode estar sobrecarregando-se fisicamente, o que pode resultar em lesões por excesso de uso no sistema musculoesquelético.

Além disso, tem havido uma diminuição geral nos dias de hoje em atividade física diária, como caminhar para a escola ou brincar com os amigos; essas atividades foram substituídas por atividades muito mais sedentárias, como assistir televisão ou jogar videogames.

Isso leva a um nível de aptidão basal mais baixo em crianças que iniciam um esporte, aumentando ainda mais o risco de lesões por esforço excessivo.

Ficou alguma dúvida? Me escreva!

Me segue lá no Instagram: @draanapsimoes

Dra. Ana Paula Simões
Médica do esporte, ortopedista e traumatologista, professora instrutora e mestre pela Santa Casa de São Paulo, especialista em medicina esportiva e cirurgiã do tornozelo e pé.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

× Entre em contato!