Tendinopatia anserina: Saiba o que é e como funciona o tratamento

Tendinopatia anserina: Saiba o que é e como funciona o tratamento

tendinopatia  anserina – também conhecida como tendinite da pata de ganso, porque o local onde o tendão se insere  lembra o pé de um  pato – acontece quando há uma  inflamação de um tendão no lado medial (interno) do joelho. A bursa ou pequeno saco fluido também pode se tornar inflamado, causando dor, dando o nome de bursite anserina.

Sintomas

É difícil distinguir a tendinite anserina de uma lesão do ligamento medial, porque os sintomas são semelhantes, e ambas são suscetíveis a dor quando sobrecarregamos o interior das articulações do joelho e da perna. Os sintomas incluem dor ao longo do interior do joelho, em especial na parte inferior com irradiação para a perna. A dor pode ser sentida ao subir escadas ou quando contraímos os músculos isquiotibiais contra a resistência. Alongar os músculos isquiotibiais também pode causar dor.

Causas

A tendinite da perna é uma inflamação combinada do músculo semitendinoso (um dos tendões), do sartorius  (o músculo que atravessa a frente da coxa) e  do gracilis ( grácil) muscular, que é um dos músculos adutores. Todos eles se anexam em  conjunto na tíbia ou no osso da canela sobre a parte interna.

Nesta área, há também a bolsa anserina, que se encontra entre o tendão e o osso da tíbia. Esta bursa pode se tornar inflamada devido à fricção repetitiva em esportes como ciclismocorrida natação, especialmente nado peito. Isso resulta em bursite e/ou tendinopatia (às vezes chamada de tendinite).

Tratamento para tendinopatia  anserina 

Inicialmente, é preciso tratar os sintomas e depois trabalhar na  causa da inflamação do tendão ou da bursa. O tratamento dos sintomas inclui descanso de quaisquer atividades agravantes e aplicação de gelo ou terapia fria para reduzir a dor e inflamação.

O gelo pode ser aplicado durante 10 minutos a cada hora ao longo dos dois primeiros dias. Depois, de três a quatro vezes por dia, conforme necessário. Medicamentos anti-inflamatórios, podem ser usados, ajudando a reduzir dor e inflamação. Alongar os músculos que rodeiam, como o quadríceps, isquiotibiais e adutores, pode ajudar.

Um terapeuta/fisioterapeuta pode aplicar métodos analgésicos e cicatrizantes. Se o tratamento não for bem sucedido, injeções de corticosteroides têm se mostrado eficazes. Ondas de choque e acupuntura também estão no protocolo de tratamento.

A segunda fase do tratamento deve considerar a causa da lesão, corrigindo o problema. Tudo isso sob avaliação e prescrição médicas.

Bons treinos!

Saiba mais: Entorse de tornozelo: Veja cinco mitos sobre ela em corredores de rua

Ficou com alguma dúvida? Entre em contato! Me segue lá no Instagram: @draanapsimoes.

 

Dra. Ana Paula Simões
Médica do esporte, ortopedista e traumatologista, professora instrutora e mestre pela Santa Casa de São Paulo, especialista em medicina esportiva e cirurgiã do tornozelo e pé.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

× Entre em contato!