Torção de tornozelo – Lesão afasta Neymar por até 8 semanas

Torção de tornozelo - Lesão afasta Neymar por até 8 semanas

O Paris Saint-Germain confirmou que Neymar ficará afastado por até oito semanas, depois de sofrer uma torção de tornozelo. Nos casos de lesão total e na fase aguda existe a chance do corpo cicatrizar a ruptura, desde que feito o protocolo correto de recuperação. 

Cerca de 40% de todas as lesões traumáticas do tornozelo ocorrem durante a prática de esportes, dados do levantamento de uma diretriz publicada na revista internacional de medicina esportiva Bitanica2 que revisei para passar as atualizações sobre o melhor tratamento em casos de entorse do tornozelo após ver a lesão pela TV pensei: quando ele volta? Será que temos algo novo?

Pude verificar que mesmo sendo atleta profissional o prazo continua o mesmo: média de 6-8 semanas . O artigo de revisão, teve como objetivo avançar os entendimentos atuais sobre o diagnóstico, prevenção e intervenções terapêuticas para entorses de tornozelo, atualizando a referência existente e incorporando novas pesquisas.

O objetivo secundário desse levantamento foi fornecer uma atualização relacionada à relação custo-efetividade dos procedimentos diagnósticos, intervenções terapêuticas e estratégias de prevenção que é o que mais interessa para você do eu atleta: não se machucar!

Quando você vira o pé , deve procurar avaliação médica para ajudar a reduzir os prejuízos à saúde e descartar lesões musculoesquelética associadas: como as fraturas. No caso do Neymar verificamos “apenas” a lesão isolada do ligamento, o que de certa forma é o mais comum de ocorrer, mas vejo também associações com degeneração articular e lesões osteocondrais que são geradas no memento do trauma mas só identificadas cronicamente.

O que há de novo: nessa revisão, o sexo feminino, bem como potencialmente um IMC mais baixo são fatores de risco para entorse de tornozelo. Além disso, é fornecida uma recomendação que estava faltando na diretriz original: Ao tratar pacientes com entorse agudo, os fatores de risco modificáveis, como deficiências na propriocepção e amplitude de movimento, devem ser identificados e, se possível, incluídos em um programa de prevenção e / ou reabilitação para evitar o risco de entorses recorrentes.

Classificação da torção de tornozelo

Em geral, as lesões ligamentares do tornozelo são classificadas em três graus que representam o aumento da gravidade da lesão:

  1. grau I, entorse de tornozelo leve; 
  2. grau II, entorse moderado / lesões microligamentares;
  3. grau III, entorse grave / lesão ligamentar completa. 

Diagnóstico da torção de tornozelo

A gravidade do dano ligamentar pode ser avaliada de forma mais confiável por exame físico ( até 4-5 dias após o trauma), seguido de exame por imagem quando indicado. Após o diagnóstico correto, pode-se afirmar que, embora um curto período de imobilização possa ser útil para aliviar a dor e o inchaço, deve -se iniciar o tratamento funcional.

A participação em certos esportes está associada a um risco elevado de sofrer uma entorse lateral do tornozelo, principalmente os que exigem deslocamento lateral e contato físico. Deve-se ter cuidado com o uso de antiinflamatórios não esteroidais (AINEs) após uma entorse de tornozelo. Eles podem ser usados ​​para reduzir a dor e o inchaço, mas o uso não é isento de complicações e os AINEs podem suprimir o processo natural de cura. 

Tratamento da torção de tornozelo

Em relação ao tratamento, os programas supervisionados baseados em exercícios preferem as modalidades passivas, pois estimulam a recuperação da estabilidade articular funcional. 

O que há de novo:  O uso de suporte funcional e terapia com exercícios é preferido, pois fornece melhores resultados em comparação com a imobilização. Se a imobilização for aplicada para tratar dor ou edema, deve durar no máximo 10 dias, após os quais o tratamento funcional deve ser iniciado (nível 2).

Recomendação: Após o entorse agudo, atenção adequada deve ser direcionada ao nível atual de dor do paciente, sua carga de trabalho e nível de participação em esportes. Todos eles podem influenciar negativamente a recuperação e aumentar o risco de recorrência futura da lesão. Portanto, eles devem ser tratados no início do processo de tratamento.

Cirurgia, quando?

A cirurgia deve ser reservada para os casos que não respondem ao tratamento conservador. Apesar dos bons resultados clínicos da cirurgia após lesões crônicas e ruptura ligamentar lateral completa aguda, o tratamento funcional ainda é o método preferido, mesmo no Neymar, pois nem todos os pacientes requerem tratamento cirúrgico. Isso também ajuda a evitar a exposição desnecessária a cirurgia e o risco de complicações. No entanto, as decisões de tratamento devem ser feitas individualmente. Em atletas profissionais, o tratamento cirúrgico pode ser preferido a critério médico para garantir um retorno mais rápido ao jogo.

Prevenção e retorno

Para a prevenção de entorses de tornozelo laterais recorrentes, as órteses de tornozelo devem ser consideradas como uma opção eficaz, além de exercícios supervisionados com foco em uma variedade de exercícios, como propriocepção, força, coordenação e função os quais levarão a um retorno mais rápido ao esporte 

Recomendação: tanto estabilizador funcional quanto a bandagem têm um papel na prevenção do entorse apesar das evidências limitadas sobre os mecanismos que levam a esses efeitos.  A escolha do uso deve depender das preferências pessoais.

Referência:
1- https://www.anapaulasimoes.com.br/lesoes-esportivas/entorse-do-tornozelo

2- http://dx.doi.org/10.1136/bjsports-2017-098106

3- Tratamento de mobilização precoce para lesões ligamentares do tornozelo grau III . Foot Ankle 1991 ; 12 : 69 – 73 . doi: 10.1177 / 107110079101200202

Dra. Ana Paula Simões
Médica do esporte, ortopedista e traumatologista, professora instrutora e mestre pela Santa Casa de São Paulo, especialista em medicina esportiva e cirurgiã do tornozelo e pé.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

× Entre em contato!