Pé chato( plano) : por que tratar?

Também conhecido como pé pronado, essa condição é bastante comum na infância, e se caracteriza quando toda ( ou a maior parte ) da planta do pé toca o chão. A estrutura do pé conta com um arco natural que ajuda a sustentar o corpo durante a caminhada ou corrida, e quando esse arco não se apresenta, temos o que chamamos de pé chato. Essa condição é dividida entre dois tipos:

Pé plano flexível: nesse caso, quando o pé não está sustentando o peso do corpo, é possível visualizar o arco do pé quando o indivíduo levanta os calcanhares e se apoia nas pontas dos pés.
Pé plano rígido: o arco não está presente, independente da posição dos pés.

Na maioria dos casos, essa condição não apresenta nenhum sintoma, mas em determinadas situações, ele pode provocar algum desconforto ou dor.

Naturalmente, todas as pessoas nascem com o pé plano/chato, e durante o crescimento da criança, o arco vai se desenvolvendo. Isso acontece após os 3/4 anos de idade, e deve estar totalmente desenvolvido por volta dos 7 ou 8 anos de idade. Quando isso não acontece, provavelmente se trata de um caso de pé chato.

Embora essa condição não resulte em problemas maiores na maioria dos casos, é importante que o problema seja diagnosticado o quanto antes. Com isso, será possível evitar futuros problemas nos tornozelos, joelhos, pernas, tendões, entre outros. Além de poder ter caráter genético, o pé chato também pode ter relação com uma hiperfrouxidão ligamentar, malformações ósseas ou ossificações anormais.

Em alguns casos, também, o pé chato também pode surgir após a idade adulta, ocasionado por uma ruptura tendinosa degenerativa ou traumática. De acordo com a gravidade da condição, o indivíduo pode relatar dor intensa, desgaste ou desequilíbrio mecânico.

Como é feito o tratamento?

A maioria dos casos de pé chato pode ser tratado com uma abordagem conservadora, que envolve a modificação dos calçados e a realização de atividades de fortalecimento. Contudo, quando esse tratamento não surte o efeito desejado, e o paciente ainda apresenta deformidades, calosidades e dor, pode ser necessário o uso de palmilhas específicas e um trabalho de reabilitação para controle dos sintomas e manutenção dos movimentos.
As cirurgias apenas são indicadas nos casos mais graves, geralmente quando o paciente apresenta algum tipo de deformidade estrutural.

Entretanto, independentemente da presença de sintomas, é muito importante buscar ajuda médica especializada. Essa condição pode trazer alterações nas cadeias de músculos do pé até a região lombar, o que pode causar dor e fadiga. Quanto antes o diagnóstico for feito, melhor será o tratamento e o acompanhamento médico.

Além das alterações citadas acima, o paciente também pode desenvolver artrite, joanete, joelho valgo, e deformidades na coluna vertebral. Por essa razão, quando uma criança apresenta sinais de que possui pé chato, é primordial que um médico realize uma avaliação adequada. Essa avaliação pode ser feita a partir dos 3 anos de idade, pois antes disso a criança ainda está adaptando a pisada e estabilizando o caminhar.

Atualmente, a bota ortopédica não é mais recomendada pelos médicos. O problema pode ser tratado com palmilhas ortopédicas, que, além de aliviar o estresse das articulações, também ajuda a reduzir as deformidades nos pés. A caminhada em terrenos irregulares também é uma valiosa aliada no tratamento do pé chato.

Existem também, alguns exercícios físicos que podem ajudar na formação do arco, como:

Intercalar a caminhada nas pontas dos pés e sobre os calcanhares;
Realizar agachamentos apoiando o peso do corpo em apenas um pé;
Segurar um pequeno objeto com os dedos dos pés;
Descer e subir escadas nas pontas dos pés;
Entre outros.

Os esportes e atividades físicas também podem ajudar no fortalecimento muscular e na formação do arco, como a natação, ginástica artística e ballet, por exemplo.
Me escreva se restar dúvidas!

Dra. Ana Paula Simões
Médica do esporte, ortopedista e traumatologista, professora instrutora e mestre pela Santa Casa de São Paulo, especialista em medicina esportiva e cirurgiã do tornozelo e pé.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

× Entre em contato!