Protocolo para corridas de rua: Evento teste em rua de São Paulo

Protocolo para corridas de rua: Evento teste em rua de São Paulo

Em abril de 2020, um mês após começarem os cancelamentos das provas de corrida de rua, fui convidada pelo diretor da Iguana Sports, Paulo Carelli, para montar um protocolo para corridas de rua de retomada assim que fosse autorizada a fase verde pela prefeitura de São Paulo. Nós apenas não imaginamos que isso só aconteceria sete meses depois. Ou seja, a pandemia realmente demorou para começar a diminuir os números e nos dar a segurança de que estávamos no caminho certo. Sendo assim, somente no dia 25 de outubro pudemos ver o protocolo para corridas de rua em prática.

Foram meses de discussão e precisei entrar para o comitê internacional de medicina para corridas (o IIRM – International Institute for Race Medicine), sendo a primeira brasileira a discutir como nossos corredores voltariam às rua com segurança.

Após dezenas de reuniões e a criação da ABRACEO (Associação Brasileira dos Organizadores de Corrida de Rua e Esportes Outdoor), chegamos a um consenso. Após a aprovação do governo do estado de São Paulo, com o qual foi elaborado e publicado o protocolo de retomada das atividades esportivas considerando o impacto do Covid-19, efetivamos o teste num evento que aconteceu no último domingo de outubro (25) no Sambódromo do Anhembi.

 

Foi um teste para avaliar as medidas sanitárias que serão aplicadas durante futuras provas presenciais. Sim, todos os eventos esportivos deverão ser realizados por um bom tempo seguindo esse protocolo.

A prova foi organizada pela Associação Brasileira de Corridas de Rua e todos seus parceiros contribuíram de forma voluntária, cada um na sua expertise, para que o evento fosse um sucesso. Assim como foi voluntária minha assistência na parte médica, onde permaneci com a equipe de apoio, a ambulância e fomos vistoriados durante todo o evento pela vigilância sanitária e COVISA. Nós nos cercamos de todas as medidas para que nossos 150 corredores participassem de forma segura e que o protocolo pudesse ser reproduzidos em todos os eventos semelhantes do país.

Foram meses de discussão e precisei entrar para o comitê internacional de medicina para corridas (o IIRM – International Institute for Race Medicine), sendo a primeira brasileira a discutir como nossos corredores voltariam às rua com segurança.

Após dezenas de reuniões e a criação da ABRACEO (Associação Brasileira dos Organizadores de Corrida de Rua e Esportes Outdoor), chegamos a um consenso. Após a aprovação do governo do estado de São Paulo, com o qual foi elaborado e publicado o protocolo de retomada das atividades esportivas considerando o impacto do Covid-19, efetivamos o teste num evento que aconteceu no último domingo de outubro (25) no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo.

 

Foi um teste para avaliar as medidas sanitárias que serão aplicadas durante futuras provas presenciais. Sim, todos os eventos esportivos deverão ser realizados por um bom tempo seguindo esse protocolo.

A prova foi organizada pela Associação Brasileira de Corridas de Rua e todos seus parceiros contribuíram de forma voluntária, cada um na sua expertise, para que o evento fosse um sucesso. Assim como foi voluntária minha assistência na parte médica, onde permaneci com a equipe de apoio, a ambulância e fomos vistoriados durante todo o evento pela vigilância sanitária e COVISA. Nós nos cercamos de todas as medidas para que nossos 150 corredores participassem de forma segura e que o protocolo pudesse ser reproduzidos em todos os eventos semelhantes do país.

Protocolo para volta de corridas de rua – Resumo de como foi:

  • Recepção sem aglomeração, com distanciamento;
  • Uso de máscara exigido em 100% do evento;
  • Entrada do evento com oferta de álcool em gel e aferição da temperatura;
  • Largada organizada com cones e divida em pelotões de 30 atletas com distanciamento social;
  • Cinco grupos presentes foram autorizados a largar com diferença de 30 segundos entre eles, estipulados previamente e separados pelo pace pré-determinado na inscrição;
  • Hidratação servida em mesas;
  • Álcool gel e máscara na chegada para troca;
  • Medalha e hidratação para dispersão devidamente higienizados e… casa!

Nessa primeira fase da retomada, as corridas de rua poderão ter 30% da capacidade de público do período anterior à pandemia e o retorno deve acontecer ainda neste ano, seguido de aumento progressivo dessa porcentagem de participantes ao longo do ano que segue.

Neste evento, que foi um sucesso, os participantes puderam se emocionar, rever os pares e novamente sentir as emoções de uma prova que até então estavam sendo virtuais. São Pedro também ajudou, garantindo um clima perfeito para celebrar a volta da corrida de rua a São Paulo: onde as expectativas eram tempo cinzento e chuva, prevaleceram o amor ao esporte e o sol!

Bons treinos, valentes!

Veja mais: Protocolo de segurança para corrida em ruas e parques

Ficou com alguma dúvida? Entre em contato! Me segue lá no Instagram: @draanapsimoes

Dra. Ana Paula Simões
Médica do esporte, ortopedista e traumatologista, professora instrutora e mestre pela Santa Casa de São Paulo, especialista em medicina esportiva e cirurgiã do tornozelo e pé.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

× Entre em contato!